Põe na mesa

Chef Raphael Marques imprime seu ritmo nos restaurantes Duo e Duo Trattoria, no Rio

17 de agosto de 2017

Assim que Raphael Marques voltou ao Brasil passou pela prova de fogo com Nicola Giorgio (ex-Fasano). O restaurateur italiano com 34 anos de experiência não analisa currículo, pede para os candidatos preparem massa com molho de tomate. O ponto certo de cozimento é um dos fatores decisivos. O atual chef executivo do grupo gastronômico que Nicola comanda ao lado de Dionísio Chaves foi contrato em tempo recorde. “Cheguei da Califórnia e fui conversar com eles num sábado. Na segunda eu comecei a trabalhar”, conta o carioca da gema.

O chef lembra an passant que montou um prato de frutos do mar. Aprovado! Tanto que esteve à frente de quatro dos cinco restaurantes da dupla. Em 2011, depois de uma jornada de seis anos na Califórnia, nos Estados Unidos, auxiliou na inauguração do Bottega del Vino e encarou dupla jornada no Duo Restaurante, o primeiro empreendimento dos sócios.

Hoje, comanda as cozinhas dos italianos Duo e Duo Trattoria, ambos na Barra da Tijuca. Quem vê Raphael íntimo da gastronomia do país da bota não imagina sua paixão pelos peixes nem pela forma de preparo com as mãos. A influência do Nobu, restaurante japonês referência no mundo em que ele trabalhou na filial de Malibu, é direta. Continue lendo “Chef Raphael Marques imprime seu ritmo nos restaurantes Duo e Duo Trattoria, no Rio”

Crônicas da caixola

A/C Rio de Janeiro

31 de julho de 2017

Ir embora não é fácil. Mas, no meu momento, mais difícil seria ficar. Tenho exatos sete dias para me despedir. Você me deu lugares e me apresentou pessoas impossíveis de esquecer.

Mas, a gente diz ‘tchau’ o tempo todo mesmo, não é?! Só que não percebe.

Penso em locais que ganharam um pouco de mim e eu tenho a obrigação e o prazer de ir lá agradecer.

Obrigada por ter me emprestado tantas vezes o Arpoador. Aqueles quarteirões que o cercam guardam poesias, agonias, novidades e felicidades. Foram cúmplices e por vezes observadores da minha vida. Sofri, vi, vivi, amanheci e bati palma para os pores do sol. Continue lendo “A/C Rio de Janeiro”

Crônicas da caixola

Cantando coisas de amor

24 de julho de 2017

Parei e vi a vida passar. Como quem não quer nada. E daquelas que ouvem tudo.

Como que vai ser quando ela voltar da Alemanha? Será que volta? E ela esquecer o pandeiro que carrega à tira colo nos últimos carnavais? Eu só via  a banda passar.

Ele cantava coisas de amor. Mas muito, tanto que ela enjoou. A passada por Londres tempos antes foram fundamentais. Fez poesia em cada pint que bebia. Dobrava o pedido a cada olhar que dava. Difícil acompanhar a comanda. E ele ouriçado com cada capítulo de Tieta.

As Diretas chegaram por aqui. Nem viu o tempo passar naquele quarto escuro. Foram meses sem jornal nem notícias relevantes. Tinha vez que só se escutava o miado do gado e a goteira da chuva lá fora. Confundira os tempos.

Trocara o dia pela noite. Não sabia mais a quantas andava Brasília, quanto mais a política do Brexit.

Rainha Elizabeth benzia o quarto neto e comemorava o réveillon na Rússia. Um incêndio assolou Portugal e fez a Espanha ceder bombeiros, médicos, carpinteiros, taxistas, todas as mãos de obra que viam pela frente. A Itália entrou em guerra com a Grécia e foi a Escócia que apartou a briga. Continue lendo “Cantando coisas de amor”

Põe na mesa

Café coado em casa: confira 10 dicas que fazem toda a diferença

3 de julho de 2017

Há pouco tempo estive em São Lourenço, Minas Gerais, e claro dei um pulo na Unique Cafés. A cafeteria, considerada uma das melhores do país, fica no calcadão principal da cidade, próximo ao Parque das Águas.

A casa oferece vários tipos de cafés, como o frutado, orgânico e descafeinado. Além das máquinas do expresso, os atendentes preparam na frente dos fregueses o café coado. O cheiro é inconfundível!

Por isso, peguei dicas infalíveis com o barista Gabriel Guimarães. Veja só: Continue lendo “Café coado em casa: confira 10 dicas que fazem toda a diferença”

Crônicas da caixola

Perhaps

27 de junho de 2017

Talvez eu fique. Talvez.

Fique em cada pinta do seu ombro

Fique em cada espirro na madrugada

Talvez até no ressoar da noite

ou no ronco nas primeiras horas da manhã

Naquele momento em que o sono não me pesa mais

Naquele segundo que você, e só você, resolver me acordar

O seu barulho talvez me embale

e o abajur ainda ligado me lembre que já é noite

Talvez eu goste.

Talvez seu som seja turbulento demais

É o eco da sua vida

Talvez eu até goste

Mas não fique. Continue lendo “Perhaps”

Crônicas da caixola

O Rio sendo Rio

23 de junho de 2017

Ontem choveu e não teve samba. Teve bossa. Teve chorinho. Mas não teve samba.

O dia depois do temporal que assolou o Rio deixou as ruas tais quais rios, tal qual no século passado, cheio de marcas. As esquinas foram limpas da lama que ficou, os carros que boiavam na Lagoa saíram do ponto turístico e nobre carioca. Devem ter conseguido chegar ao destino com uma parada estratégica para a revisão na Baixada. E olha que lá é longe. Só de trem.

Anteontem não teve samba. Mas também não teve jazz. Não teve capoeira. Mas também não teve stiletto. Tudo bem. Tem dia que o Rio é mais Rio do que a gente pensa. Continue lendo “O Rio sendo Rio”

Ganhe cultura

Canalha, quem?

20 de junho de 2017

-Quem nunca foi canalha que atire a primeira pedra!

Xi!

Silêncio?

Não, claro, não. Ouve-se muitas pedras sendo atiradas.

-Canalha que é canalha não se revela. Melhor são aqueles que se assumem garanhões, não-respeitáveis e que fogem a todo custo de um relacionamento sério.

E mulher, aprende a ser igualzinho a eles? Continue lendo “Canalha, quem?”

Crônicas da caixola

O que é o amor?

12 de junho de 2017

O amor não é cumplicidade, não é altruísmo, o amor não é tesão nem tensão, o amor não é ilusão.

O amor simplesmente é. Ele chega e você não vê, só sente. Quando você ama, simplesmente ama.

Escreve-se muito sobre relacionamento, mas pouco sobre o sentimento. Continue lendo “O que é o amor?”

Crônicas da caixola

Novembro

4 de junho de 2017

Meu corpo já não responde

As unhas já não são mais cortadas

A mão desliza cansada

Os pés incham da

Tristeza escorrida

 

Meus reflexos são

Inexatos

E o coração/inacabado

Do pesar desfalecido

 

Meu corpo já abriga

A luz enternecida

E as trevas enamoradas

 

Emancipada vem,

realidade

 

[licença poética, escrita em 2013] Continue lendo “Novembro”

Põe na mesa

L’Etoile apresenta menu de inverno

25 de maio de 2017

Sentar para jantar ao som das ondas do mar de São Conrado já seria o suficiente para uma ótima experiência. Mas, não surpreendentemente – porque sempre são aguardadas boas novidades do L’Etoile – a refeição completou o cenário. O menu de inverno, que teve seu lançamento na última semana, é assinado pelo chef fancês Jean Paul Bondoux. Seu companheiro de equipe, o chef executivo Felix Sanchez, me recebeu com aromas e gostos especiais. Tudo seria diferente se não houvesse os vinhos selecionados por Wallace Neves. O sommellier do restaurante, inclusive, foi eleito o melhor do Brasil promovido pela  CVRA (Comissão Vitivinícola Regional Alentejana). Uma honra!

Comecei pela ostra crocante com farinha panko. A apresentação dispensa comentários. Logo em seguida, a aposta do chef chileno que comandava a cozinha: carpaccio de vieiras. Para Felix, será um dos pratos mais servidos durante a temporada fria. O aroma é de deixar qualquer paladar pronto. Há molho cítrico e uma declinação de maracujá. Para harmonizar, o escolhido foi um Sauvignon Blanc.   Continue lendo “L’Etoile apresenta menu de inverno”