Listas da Ju

LISTA: 5 conselhos que nenhuma mulher deve dar a outra

29 de outubro de 2015

Pior coisa que homem machista é mulher machista. Pronto, falei.

Vamos analisar bem antes de repassar tudo que nossas avós e mães falavam pra gente como se fosse verdade absoluta. Acredite: talvez nem com elas tantos conselhos de século passado deram certo.
Aceite a vontade de transar… É bom.. É normal…  não engorda… E te deixa com um sorriso largo que é uma beleza. Ah, e geralmente te deixa ainda mais bonita.
Então, deu vontade? Veste a camisinha e vai na fé!

Continue lendo “LISTA: 5 conselhos que nenhuma mulher deve dar a outra”

Crônicas da caixola

Como a vida surpreende e se reinventa

26 de outubro de 2015

A história de duas mulheres que perderam seus maridos

35 anos. Sem filhos. Do lar. E um conselho: viva tudo que há pra viver porque você nunca sabe quando pode terminar.As duas perderam seus maridos de forma inesperada; a primeira num acidente de carro, a segunda num infarto fulminante. Sofreram. E muito. Sofreram de uma forma que ninguém pode imaginar, julgar nem questionar. A tristeza é profunda, iminente e sem precedentes. As duas me confidenciaram – exatamente com essas palavras – “a vida continua”.

Continue lendo “Como a vida surpreende e se reinventa”

Crônicas da caixola

O silêncio que nos une

22 de outubro de 2015

O silêncio que angustia, aprisiona e, ao mesmo tempo, sim, me liberta. Essa falta de palavras é uma distancia chamada simbiose. Um modo um tanto surpreendente do amor se manifestar. Prefiro não falar o que pode chocar, melhor até nem expor o que por trás guarda uma grande certeza.
 
O seu silêncio me faz crer que nada foi terminado, que nem tudo foi vivido e que ainda há muito para se comunicar.
As coisas mudam. E quando elas mudarem não será necessário verbalizar nada. Falar pra quê?
 
Ainda guardo os melhores momentos em silencio. O teu olhar perdido, o teu olhar focado e atento, a respiração ofegante e até mesmo a calma. Ainda mantenho você aqui comigo. E não preciso falar nada. Continue lendo “O silêncio que nos une”
Crônicas da caixola

Outubro Rosa: 1 dentre os 12 meses coloridos

19 de outubro de 2015

O dia que radicalizei e desapeguei das minhas madeixas
Outubro tem uma cor: rosa. Ele se refere às mulheres que encaram a luta contra o câncer de mama – vencendo-o ou não. A campanha começou na década de 90, nos Estados Unidos, e ganhou voos mundiais a favor da prevenção. Àquela época, a doença era arrebatadora e os cuidados ainda bem limitados. Com o tempo, a informação e o avanço da medicina contribuíram e muito para uma vitória significativa: é possível vencer o câncer!

Continue lendo “Outubro Rosa: 1 dentre os 12 meses coloridos”

Crônicas da caixola

Confissões da manhã

14 de outubro de 2015

Foi só eu passar naquele corredor que a barba me chamou a atenção. Mas, discreta que sou, passei direto e ensaiei um ‘bom dia’. E, claro, recebi a resposta, educadamente.

 Continuei meu caminho, mas aquela voz grossa já ressoava no meu cangote. Sim, sou rápida. Já comecei a imaginar aquela voz rouca e grave nos pés do meu ouvido, me encantando. Me chamando pra dançar? Não! Me chamando pra embarcar nas loucuras dele.
Eu, sem dizer uma palavra, pedia só pelo olhar para que ele parasse aquela tortura e fosse direto ao ponto. Eu não aguentava mais. Era uma tensão se segurar tanto quando estava louca pra satisfazê-lo. Parece que já sentia o teu cheiro e teu corpo por inteiro me incomodando entre as pernas. Continue lendo “Confissões da manhã”
Crônicas da caixola

Você se sente cobrada aos 30 anos?

The 30th is the new 40th

Ok, chegamos aos 30. Foram uns 10 mil dias vividos sabe-se lá como, estando contigo mesmo na alegria e na tristeza, na saúde e na doença. Tem como não se amar depois de tantos altos e baixos, idas e vindas, perguntas infindáveis e um coraçãozinho que foi partido e remendado tantas vezes?
 
Tem! O pior é que tem!
 
Você chega na “metade da vida” se cobrando família, filhos, uma carreira impecável, viagem ao exterior todo ano e um sorriso no rosto para as selfies.
Não, amada. Quem te pede isso são os outros. E você passou a gostar dessa cobrança. Até porque fez de tudo um pouco para chegar até aqui até se sentir frustrada ao ver sua vida dar de cara com um pano preto.
 
The end!